Dicas úteis

Como o alongamento dos músculos abdominais aparece e é tratado

A ruptura muscular é um dano às fibras musculares causado por contração severa ou uso excessivo dos músculos. Geralmente ocorre em atletas e pode ser dividido em três etapas: leve, intermediária e grave.

Vamos dar uma olhada em quais músculos são mais afetados e quais são os sintomas de ruptura muscular.

O que é ruptura muscular

A ruptura muscular é condição patológicaisso ocorre quando sobrecarga muscular esqueléticalevando a quebra de fibras muscularesformando um músculo.

Geralmente ocorre quando o músculo é submetido a carga excessiva, por exemplo, levantando uma carga muito pesada, quando fica por muito tempo em estado de contração ou é submetido a alongamentos violentos e repentinos.

A ruptura muscular pode ocorrer em qualquer pessoa, mas as pessoas que praticam esportes (crianças e adultos) são mais suscetíveis, tanto profissionalmente quanto amadora.

Tipos de quebras musculares

As rupturas musculares podem ser divididas em vários tipos, dependendo da gravidade e do modo de ocorrência.

Dependendo da gravidade e número de fibras musculares afetadasnós temos:

  • 1 grau: Menos lesões musculares graves quando não mais de 5% das fibras musculares estão danificadas. Não leva a restrições nos movimentos e dor intensa, apenas as áreas afetadas. Não há diminuição da força muscular.
  • 2 graus: lesões da classe intermediária, nas quais 10 a 50% das fibras musculares estão danificadas. A vítima sente dor aguda e alguns movimentos podem ser limitados. Por exemplo, em caso de danos nos músculos das extremidades inferiores, o sujeito ainda pode andar, mas com grande dificuldade.
  • 3 graus: A forma mais grave quando 3/4 das fibras musculares são danificadas ou ocorre uma ruptura muscular completa. A dor é aguda e intensa, os movimentos são realizados com grande dificuldade. Por exemplo, no caso de lesões nos músculos das pernas, o sujeito não consegue andar ou manter uma posição vertical.

Dependendo da causa, existem duas formas de ruptura muscular:

  • Afiado: a diferença ocorre de repente. É característico das lesões sofridas durante o trabalho intenso e intenso, quando os músculos se alongam muito rapidamente.
  • Crônico: o rasgo ocorre gradualmente à medida que o número de fibras danificadas aumenta. Inerente a lesões decorrentes de movimentos repetidos.

Quebra muscular pode incluir qualquer músculo corpo humano, mas ocorre mais frequentemente no nível das extremidades superior e inferior:

  • Músculos das extremidades inferiores: por exemplo, o músculo quadríceps (localizado na frente das coxas), o bíceps da coxa (localizado atrás da coxa), os músculos abdutores e adutores (também conhecidos como músculos das coxas externa e interna), os músculos das nádegas ou panturrilhas.
  • Músculos das extremidades superiores: por exemplo, bíceps (localizado na frente dos braços), tríceps (localizado na parte de trás dos braços) ou músculo deltóide (localizado entre o ombro e o braço).
  • Outros músculos: embora a diferença raramente afete outros músculos, podem ocorrer danos em outras partes do corpo. Por exemplo, os músculos do abdômen e do abdome inferior, músculos da axila, músculos peitorais, músculos da região lombar (ou seja, na região da parte inferior da coluna vertebral), músculos intercostais (que estão localizados entre as costelas) e músculos inguinais podem estar envolvidos.

Problemas musculares semelhantes

Às vezes, o termo "ruptura muscular" é erroneamente usado para significar dano muscular de uma fisiopatologia diferente. Em particular, o termo "ruptura muscular" é frequentemente usado para se referir a fenômenos como contratura ou tensão muscular.

Esses dois estados, de fato, são outros tipos de fenômenos, em particular:

  • Entorse ocorre sempre que um músculo se alonga mais do que deveria, às vezes pode ser acompanhado por danos a algumas fibras musculares. Essa entorse causa dor aguda, por exemplo, durante exercícios esportivos, ou dor intensa, por exemplo, durante a tosse.
  • Contratura ocorre toda vez que um músculo se contrai com uma força que você não é capaz de suportar. Esta condição ocorre devido à rigidez das fibras musculares. As contraturas também aparecem devido à tensão muscular excessiva e podem ser causadas por outros fatores, como estresse ou frio.

Causas e fatores de risco

A causa da maioria das quebras musculares é a tensão muscular excessiva durante o movimento ou durante movimentos repetitivos.

No entanto, existem fatores de risco que podem predispor ao colapso muscular:

  • Falta de treinamento muscular adequado para a carga esperada.
  • Fadiga excessiva dos músculos, a tal ponto que eles não são capazes de suportar o esforço.
  • Treinamento duro após um longo descanso do treinamento.

Outra causa possível de ruptura muscular são lesões indiretas ou hematomas, ou seja, quando o músculo é atingido com força por alguma coisa. Por exemplo, quando durante o futebol um jogador recebe um chute forte de outro parceiro, o que leva a dano de fibra muscular.

Sintomas de ruptura muscular

A ruptura muscular no início pode ocorrer mesmo sem dor. No entanto, a dor aguda intensa aparece mais tarde como o principal sintoma ao qual outros sintomas podem se juntar, incluindo:

  • Edema, vermelhidão e queimação intensa na área afetada.
  • A presença de edema, ou seja, acúmulo de líquido no nível do músculo lesionado.
  • A formação de um hematoma devido à ruptura dos vasos do músculo.
  • O aparecimento de quedas com uma quebra completa no músculo.
  • Às vezes a presença de febre.

Às vezes, os sintomas de ruptura muscular podem ser manifestações de outras doenças (por exemplo, vermelhidão, inchaço e presença de febre devido à trombose) e, portanto, é necessário realizar o diagnóstico correto.

Diagnóstico - Como determinar a ruptura muscular

Um médico pode diagnosticar quebras musculares com:

  • Histórias de casos paciente para entender quando a dor ocorreu e como.
  • Exame da parte afetadapara verificar se há hematomas, inchaço e dor aguda.
  • Ultrassom muscularpara determinar o tipo de dano e gravidade.
  • Ressonância magnética, usado se o ultrassom não fornecer uma imagem clara da gravidade da lesão.

Como tratar a ruptura muscular

A ruptura muscular cura de diferentes maneiras, dependendo do grau de dano. Uma ruptura muscular do 1º grau cura em algumas semanas, a recuperação de uma ruptura do 2º grau leva de 15 dias a um mês.

O tratamento da ruptura muscular do 3º grau leva pelo menos um mês e, às vezes, requer intervenção cirúrgica, que envolve sutura.

Para os cuidados primários em caso de quebras musculares, como frio ou calor, é utilizado o método REST (Descanso, Gelo, Compressão, Elevação).

Em particular, os cuidados primários devem consistir nas seguintes etapas:

  • Recusa de qualquer atividade esportiva para proporcionar aos músculos um estado de descanso.
  • Aplique gelo na área afetada por pelo menos vinte minutos, repetidos a cada quarto de hora.
  • Aplicar um curativo compressivo nas áreas afetadas para reduzir o fluxo sanguíneo na área danificada e evitar o aparecimento de um hematoma.
  • Se estivermos falando sobre o membro inferior, coloque um travesseiro por baixo dele, para manter sua posição acima do corpo, para evitar o acúmulo de líquidos e reduzir o inchaço.
  • 72 horas após uma ruptura muscular, o gelo pode ser alterado para uma fonte de calor que ajuda a dissolver coágulos sanguíneos. Até 72 horas, não é recomendável aplicar calor, pois isso pode piorar a saída de sangue dos vasos sanguíneos, causando vasodilatação.

Remédios naturais

Para o tratamento de lesões musculares do 1º grau, você pode usar remédios à base de plantas:

Gotu kola contém triterpenóides pentacíclicos, que fortalecem os vasos sanguíneos e reduzem os efeitos do acúmulo de líquidos, como edema. Recomenda-se tomar sob a forma de cápsulas, duas cápsulas de manhã e à noite.

Groselha preta: usado como agente anti-inflamatório natural, graças a ingredientes ativos como flavonóides, antocianinas e vitamina C. Pode ser tomado em forma de pílula, uma diariamente na manhã e à noite, ou sob a forma de gotas, dosagem de 50 gotas várias vezes ao dia.

Garra do diabo: contém arpagosides como ingrediente ativo, que são potentes substâncias anti-inflamatórias. Vários comprimidos devem ser tomados diariamente, de preferência após uma refeição ou como uma pomada diretamente no local do dano.

Arnica: contém lactonas sesquiterpênicas, flavonóides, astragalina e outros ingredientes ativos que possuem propriedades anti-inflamatórias. Pode ser aplicado como uma pomada diretamente no local do dano.

Gengibre: contém gingerol e óleos essenciais, que reduzem a produção de mediadores inflamatórios. O regime e a dosagem diferem dependendo do caso, podem ser tomados na forma de cápsulas ou chá de ervas.

Para tratamento sintomas dolorosos ruptura muscular, seu médico pode prescrever alguns medicamentos (geralmente medicamentos anti-inflamatórios não esteróides ou relaxantes musculares), que pode ser administrado por via oral, intramuscular ou aplicada topicamente como uma pomada.

Entre os mais utilizados:

  • Tiocolchicosídeo: Este medicamento relaxa os músculos, o que evita contraturas musculares involuntárias que podem agravar os danos. É utilizado, regra geral, em conjunto com o diclofenaco, tanto por via oral como como solução injectável.
  • Diclofenaco: este medicamento pertence à categoria de anti-inflamatórios. Juntamente com o tiocolchicosídeo, é usado na forma de uma solução injetável, também pode ser tomado na forma de comprimidos ou topicamente na forma de uma pomada.
  • Cetoprofeno: Um anti-inflamatório que ajuda a aliviar a dor. Pode ser aplicado topicamente como uma pomada ou por via oral.
  • Ibuprofeno: agente anti-inflamatório usado para aliviar a dor. É administrado por via oral na forma de comprimidos.
  • Paracetamol: É um anti-inflamatório e analgésico que pode ser usado em grandes doses, pois não causa problemas gastrointestinais. Existe na forma de comprimidos efervescentes e velas.

Classificação de gravidade

A classificação da tensão muscular do peritônio ocorre dependendo da gravidade da lesão. Na prática médica, é habitual diagnosticar todos os casos com entorse em três estágios principais:

  1. O primeiro grau moderado de alongamento, no qual não é necessário tratamento especial, e todos os sintomas e dores desaparecem após 1-2 semanas, desde que o paciente adote um regime de economia.
  2. O segundo grau moderado, no qual os sintomas são expressos com um grau médio de intensidade, mas desaparecem após algumas semanas. Nesse grau, em alguns casos, os pacientes precisam de tratamento qualificado. A recuperação geralmente ocorre de 3 a 6 semanas após o incidente.
  3. O terceiro, grau severo, no qual é freqüentemente observada uma ruptura do grupo muscular da prensa abdominal. Os sintomas neste caso são pronunciados. Na maioria das vezes, a conexão abdominal é interrompida. Um músculo danificado é incapaz de contrair. O tratamento, às vezes até cirúrgico, dura neste caso em média 3 meses.

Sintomas característicos

Com um alongamento dos músculos abdominais, são observados sintomas padrão característicos dessa patologia. Se as entorses são acompanhadas por micro-lágrimas dos músculos, os sintomas podem se manifestar mais claramente e ser mais intensos. As principais manifestações clínicas dessa patologia podem ser chamadas a seguir:

  • desconforto na área dos músculos danificados,
  • dor ao tentar dobrar o corpo e tensionar os músculos do peritônio,
  • dor intensa intensificada durante a palpação no local do alongamento,
  • cãibras musculares do peritônio,
  • em casos especialmente graves, é possível a formação de edema e hematoma, o que deve ser um sinal para a vítima em relação a urgente buscando ajuda qualificada.

Métodos de diagnóstico para alongar os músculos do peritônio

Além dos problemas médicos associados ao alongamento dos músculos do peritônio, muitos pacientes precisam lidar com problemas de natureza estética.

Para evitar muitos problemas com o funcionamento dos órgãos internos, incluindo o sistema digestivo, a formação de hérnias, a omissão de órgãos internos, mais danos aos músculos e sua divergência ao longo da linha central do peritônio após o parto, é necessário diagnosticar o alongamento em tempo hábil. Isso permitirá que você indique o regime de tratamento correto a tempo e contribuirá para a restauração completa do sistema muscular.

Além disso, com a manifestação de qualquer sintoma de tensão muscular nessa parte do corpo, o tratamento oportuno para as mulheres é muito importante, que estão se preparando para a gravidez ou estão nos estágios iniciais da gravidez. Isso ajudará a evitar uma série de problemas que podem piorar posteriormente e após o parto.

Quais ações são usadas no tratamento

O tratamento da doença depende diretamente da intensidade e gravidade dos sintomas e do grau de lesão. Portanto, com diferentes graus de severidade, pode durar de vários dias a vários meses.

O principal para os pacientes com esse trauma é garantir descanso completo para os músculos abdominais e a ausência de cargas, mesmo as mínimas. Na vida cotidiana, deve-se evitar levantar objetos pesados, movimentos bruscos e outras ações que causam contração dos músculos abdominais. O regime de reposição é especialmente importante nos dois primeiros dias após o incidente.

Para alongamentos moderados e graves, a exposição ao frio é recomendada em sessões de 15 a 20 minutos, com intervalos. Compressas frias ajudarão a reduzir a dor. Como resfriado, compressas de cubos de gelo embrulhados em celofane e uma toalha podem ser usadas. Não é recomendável expor gelo diretamente à pele exposta.

Para aliviar a dor intensa e intensa, o médico pode prescrever medicamentos anti-inflamatórios e analgésicos na forma de comprimidos, injeções ou pomadas. Isso ajudará a aliviar significativamente a condição e o bem-estar geral do paciente.

Quando a dor desaparece, você pode começar a alongar gradualmente o músculo afetado. Para fazer isso, você pode realize os exercícios mais suaves, complicando-os gradualmente e aumentando a carga.

Em alguns casos, os pacientes com esses problemas precisam recorrer à cirurgia plástica moderna. Nesse caso, os problemas estéticos são eliminados em maior extensão.

O que não deve ser esquecido após uma lesão

É muito eficaz para ajudar a reduzir a probabilidade dessa lesão em um ambiente esportivo, aquecendo os exercícios antes dos exercícios diretos. Para fazer isso, por 20 minutos, é recomendável realizar exercícios físicos convencionais para alongamento, realizar corridas de aquecimento etc.

Para evitar o alongamento na vida cotidiana, você precisa calcular sua força quando o trabalho físico com levantamento de pesos estiver à frente. Durante sua implementação, é recomendável fazer pausas e descansar.

Para manter seus músculos em boa forma e fortalecê-los, é muito importante fornecer aos músculos cargas ideais de maneira sistemática. Você pode, por exemplo, frequentar academias várias vezes por semana, fazer exercícios matinais ou fazer jogging diariamente.